Weby shortcut

Notícias

Opções Avançadas Busca exata  Todas as palavras  Qualquer uma das palavras
Ciência na Escola
Projeto levará alfabetização científica para escolas públicas goianas
Em 04/11/2019 às 17:04

Proposta aprovada pelo MCTIC beneficiará pelo menos 20 escolas e mais de 10 mil estudantes da educação básica de todo o estado

Um projeto interinstitucional, coordenado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), promoverá a alfabetização científica em escolas públicas de todo o estado. Intitulado "(Com)Ciência na educação básica: ensino, pesquisa e inovação na solução de problemas no estado de Goiás", o projeto foi selecionado em uma chamada pública do Ministério da Educação (MEC) em associação com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

A discussão da proposta e a elaboração do projeto envolveram a gestão superior da UFG. A coordenadora do grupo gestor e professora da UFG, Renata Mazaro e Costa, explica que o objetivo é levar a ciência para o dia a dia das escolas, principalmente para turmas das fases finais do ensino fundamental e turmas do ensino médio. "A ideia é que não só os estudantes, mas também professores e coordenadores, pensem cientificamente, ou seja, que eles consigam identificar o problema e buscar pela metodologia científica a solução". O projeto irá atender pelo menos 20 escolas públicas (estaduais e municipais) e mais de 10 mil estudantes em todo o estado.

O processo de alfabetização científica nas escolas parceiras se dará durante todo o período de execução do projeto, por meio de atividades realizadas pelos integrantes, que incluem professores das instituições parceiras e estudantes de graduação e pós-graduação, além de bolsistas de iniciação científica e de iniciação à docência. Também será utilizado o Ambiente Virtual de Aprendizagem do Ministério da Educação (Avamec), desenvolvido pelo Laboratório de Tecnologia da Informação e Mídias Educacionais (LabTIME) da UFG.

Clubes de ciência

Renata Mazaro acrescenta que outro objetivo do projeto é que, ao fim das atividades, cada escola instale um clube de ciência. "Os estudantes vão identificar, em suas cidades, problemas sociais, econômicos ou questões relacionados a empreendedorismo e inovação, levar para dentro da escola e buscar soluções por meio do método científico e do pensamento científico".

Assim, o projeto irá fomentar a transformação da realidade desses locais e, ainda, criar e validar uma metodologia que possa ser aplicada em qualquer escola do país que busque novas estratégias para incentivar o interesse de jovens estudantes pela ciência, bem como democratizar o acesso ao conjunto de conhecimentos científicos histórico e socialmente acumulados.

Também participam do projeto as seguintes instituições: Universidade Estadual de Goiás (UEG), Institutos Federais de Goiás (IFG) e Goiano (IFGoiano), Secretaria de Estado da Educação (Seduc-GO) e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime-GO). O aporte de recursos será de R$ 3,4 milhões, a serem aplicados em dois anos.

Aplicativo para dispositivos móveis para crianças com Doença Renal Crônica
Em 10/06/2016 às 02:07

A professora do DFar, Dra. Renata Mazaro e Costa, idealizou  juntamente com a equipe do LabTIME ICB/UFG, professores da pediatria da FM, faculdade de nutrição da UFG e psicologia da PUC-GO, um aplicativo, baseado em conceitos de eHealth para crianças com Doença Renal Crônica!
Confira a matéria no link

lousa
ATENÇÃO CONCURSO DE FARMACOLOGIA
Em 04/02/2016 às 23:25

Estão aberas as inscrições para o concurso para professor efetivo do Departamento de Farmacologia do ICB - UFG

Para mais informações 

http://sistemas.ufg.br/CONCURSOS_WEB/informacoes/concurso/cd_concurso/1562

XII Jornada Paulista de Plantas Medicinais
XII Jornada Paulista de Plantas Medicinais
Em 11/05/2015 às 14:50

“A Academia e suas Interfaces com a Sociedade”

A Jornada Paulista de Plantas Medicinais foi idealizada no início da década de 90, por um grupo interdisciplinar de profissionais dos campi da Unesp, que tinha por objetivo a criação de um Centro de Estudos de Plantas Medicinais (CEPLAM). O centro não prosperou, mas a Jornada não perdeu sua periodicidade e tem sido itinerante dentro do Estado de São Paulo.